Logo Blog Mamãe Vai Fazer

A “surtada” do primeiro mês

20130627-201908.jpg

Gente, um assunto que é unanimidade no que diz respeito à maternidade é a história de que algumas mães surtam no primeiro mês. Eu posso falar de camarote porque, como fui das ultimas a engravidar, assisti 90% das minhas amigas tendo reações trágicas ao se depararem sozinhas com aquele pacotinho nos braços, meio perdidas e sem saber o que fazer…
Algumas abriram o berreiro e chamaram a mamãe, uma delas, no ápice do estresse, com o peito sangrando e o rosto cheio de lágrimas, disse que não queria mais aquilo e não tava preparada pra ser mãe… Lógico que tudo passa, e todas elas são mães exemplares hoje em dia.
Mas fato é que, se esse período inicial do bebê vem recheado de tanto estresse, temos que nos preparar bem pra ele, ok?
Não vou dizer aqui que eu tirei de letra, que isso é tempestade em copo d’água, que não me cansei… Mas posso garantir que não vivenciei essa neura e que meus choros nesse período foram TODOS de uma alegria tão extrema, tão emocionante, ao ponto de escutar Toquinho com Malu no meu colo e chorar compulsivamente de uma alegria indescritível…
Vou dizer aqui como delineei minha rotina nos primeiros meses de Malu, de forma que não me cansasse tanto a ponto de deixar o estresse tomar conta. Para isso, duas coisas são primordiais:
1. Não queira ser a super mãe que quer fazer tudo sozinha: isso não fará de você uma mãe melhor, mas te deixará bem mais cansada. Você só não pode delegar o seu peito, o resto, pode passar pra alguém mais descansado.
2. Peça ajuda a seu marido: lógico que algumas de vocês podem dizer que o marido não sabe/não quer ajudar, prefere pagar uma babá/enfermeira. Sou da opinião que a melhor pessoa pra ajudar é o pai, mas se este realmente prefere delegar, conte com alguém de confiança pra passar por esse turbilhão com você (vovós são ótimas nessa função também).
O que eu e Neto fizemos foi o seguinte: fizemos juntos o curso de gestantes, então ele já sabia dar banho, colocar pra arrotar, limpar umbigo, trocar fralda, tudo igual a mim.
Na maternidade (lugar onde tudo é lindo e funciona perfeitamente), Neto deu o banho supervisionado pela enfermeira e tirou de letra. Como homem, geralmente, tem uma mão maior que a nossa, tem mais facilidade pra pegar o bebê.
Ao chegar em casa, nos deparamos com uma situação: Maria Luiza não ganhou peso e tinha que ser acordada a cada 2 horas para mamar na primeira semana de vida. Imagine que, entre troca de fralda e colocar pra arrotar, já passaram-se 2hs e já tá na hora do outro peito… Esse período foi MUITO cansativo.
Na semana seguinte a pediatra disse que já podia acordar pra comer de 3/3hs. Foi aí que comecei a usar a minha bomba de leite. Minha rotina era assim: de dia, eu dava o peito de 3/3hs, normal. À noite, com Neto em casa, depois que Malu mamava em um peito, eu tirava leite do outro e deixava na mamadeira pra Neto poder dar. Eu sempre gostei de dormir cedo/acordar cedo, e Neto sempre dormiu tarde. Então, se eu desse o peito 21hs, e deixasse a mamadeira pronta, 00h Neto dava a mamadeira e eu só acordava 03 da manhã para a próxima mamada. Pode parecer pouco, mas 6hs de sono pra uma mãe fazem TODA a diferença no seu humor.
Durante, o dia, eu tentava dormir quando Malu dormia, mas nem sempre conseguia. Como a noite não tinha sido tão estressante, conseguia fazer algumas coisas que eu gostava nesses intervalos, como assistir séries e navegar na internet, o que ajudava a manter o meu bom humor.
Lógico, não posso deixar de dizer aqui que eu tinha uma ajudante com a casa, que cuidava não só de nosso lar, como da minha alimentação (inclusive me ajudando a engordar além da conta na amamentação, mas este é outro capitulo). Mas fato é que, sem babá/enfermeira/mãe/sogra morando na minha casa, eu e meu marido conseguimos passar de forma tranqüila pelo primeiro mês.
Agora o contra: muita gente vai dizer que se você oferecer a mamadeira para o bebê ele vai recusar o peito. Acho que isso acontece mesmo, se você oferecer os 2 na mesma proporção. Mas se você oferece 1 a 2 vezes ao dia pelo seu bem estar emocional, acho que vale a pena.
E no restante das atividades, se reveze com seu marido (ou vó, babá, enfermeira…). Você não precisa dar TODOS os banhos do bebê, ninar, colocar pra arrotar… Se estiver sentindo o cansaço, fia, delegue mesmo! Isso não fará de você uma mãe ruim. Se você estiver descansada pra desempenhar essas funções vai ser muito mais gostoso.
Enfim, acho que essa é uma boa dica para fazer com que o susto seja mais suave. Pelo menos, comigo foi assim…
Beijos, Lika.

20130627-200456.jpg

Nuvém de Tags
alegria amamentação Amizade amor avião babá Beleza birra blog Brasil brincadeiras Cabelo campanha cesárea chupeta cinema criança culpa cultura dica dicas emoção escola Família farra Filhos Filme fim de semana gravidez infância Irmãos Lazer Libido livros maquiagem música parto passeio pele programação saudade saúde solidariedade Sono teatro