Logo Blog Mamãe Vai Fazer

O que ninguém te fala sobre a alegria de parir

20130904-103541.jpg

Nunca vou esquecer do dia em que, grávida de 5 a 6 meses, fui a Santo Antonio de Jesus (cidade no interior da Bahia) visitar uma amiga queridíssima, que já era mãe de 2 (beijão, Juliete!!!!!), e ela me chamou no quarto pra uma conversa séria sobre as coisas nada glamurosas que vinham com os primeiros dias da maternidade.
Juliete começou seu discurso me dando 2 calçolões, daqueles que vêm na cintura, mas bem apertadinhos, pra segurar a pança que, se Deus foi bacana com sua genética, voltará brevemente ao lugar. Suas dicas foram:

1. Você vai passar o primeiro dia de fralda, e uns diazinhos a mais de absorvente.
Juliete me falou isso, e achei tão engraçado que, no hospital, a enfermeira veio me trocar logo depois do parto, eu ainda não sentia direito as minhas pernas por conta da anestesia (cesárea), e ela pediu pra meu marido aguardar lá fora; quando ele saiu, ela disse que nenhum marido precisava ver a esposa trocar fralda… Lembrei na hora do papo com Ju… Realmente, nada glamuroso, assim como os 15 dias subseqüentes usando absorventes e calçolões…

2. Amamentar é lindo, mas dói, pode machucar, e você precisará de paciência e persistência para vencer os momentos iniciais.
Tenho uma amiga querida, pediatra, que quando comentei com ela da dificuldade nos primeiros dias de amamentação, me confidenciou que uma colega de residência que acabara de ser mãe falou pra ela que elas mentiam para as mães de seus pacientezinhos, pois também pra ela foi bem sofrido o ato de amamentar… Acredito que devem existir mães que colocam o bebê no peito e tudo é maravilhoso, mas no MEU caso e de 90% das minhas amigas que amamentaram, os dias iniciais são bem difíceis, mesmo o bebê pegando certo no peito, mesmo usando pomadas, conchas, absorventes, dói MESMO. O consolo é que, com o tempo, você acostuma e pega a manha do jeito mais confortável pra você e o bebê, e quando vê, já amamenta em qualquer canto da casa, da rua, do shopping, na maior naturalidade.

3. O peito vaza quando você menos espera.
Mesmo amamentando nos horários certinhos e tirando leite com bomba pra estocar, tinha horas que eu me perdia, e quando percebia, tava com a concha vazando, e fedendo a leite… Haja banho nesse período. Tenho uma amiga que me contou que numa noite, seu filhote com uns 3 meses, ela tava com o maridão, na hora do rala e rola, ele tomou um jato de leite na cara! Ou seja, sexo de sutiã pode ser mais agradável nesses momentos… Kkkkkk

4. Você vai passar alguns meses sem tesão. E seu marido, continuará com tesão.
Bote a culpa na ocitocina, na prolactina, bote a culpa no cansaço, mas fato é que, a libido da lactante vai pro saco. Não bastasse o cansaço, e nesse quesito, o marido estará na mesma vibe que a mamãe no começo (ou pelo menos deveria, né?), mas lá pelos 3 meses, uma rotina já se estabeleceu, já acabou o resguardo, e as investidas do marido vão aparecendo… Tem que buscar inspiração, mulherada, porque os hormônios abandonam mesmo a gente…

5. Seu corpo, a não voltará ao normal tão fácil.
E se você engravidou após os 30 como eu, senta e chora, fia, porque o trajeto é longo e incerto (a menos que você seja Claudinha Leitte. Ai que raiva daquele corpão! :P). A textura do músculo da barriga fica diferente, e haja malhação pra a ela voltar pro lugar… E o peito? Pode acontecer dele diminuir pra sempre, dele cair um pouco, dele aumentar pra sempre, dele cair muitão. Tenho amigas que passaram por cada um dos casos acima…

Mas se serve de consolo, e todas são unanimes em dizer isso, nada vai desarrumar tanto a sua vida como um filho. Mas também nada te dará tanta alegria e tanto gás pra correr atras de uma vida melhor pra sua família!
Mas é bom ficar avisada, né?
Beijocas, Lika.

Nuvém de Tags
alegria amamentação Amizade amor avião babá Beleza birra blog Brasil brincadeiras Cabelo campanha cesárea chupeta cinema criança culpa cultura dica dicas emoção escola Família farra Filhos Filme fim de semana gravidez infância Irmãos Lazer Libido livros maquiagem música parto passeio pele programação saudade saúde solidariedade Sono teatro