Logo Blog Mamãe Vai Fazer

Precisando de Esperança…

band

Quem me acompanha por aqui sabe que não falo de política. Não acho confortável externar minhas opiniões, primeiro porque não quero aqui mudar a opnião política de ninguém, quanto mais levantar qualquer tipo de bandeira. Aqui não é o lugar…

Mas hoje me vejo como espectadora das narrativas dos próximos livros de história, tal qual me vi nos idos anos de 1992, quando eu era muito jovem para entender as mudanças que o país passava. Me sinto envolta numa névoa de tristeza e desesperança, sentimento esse que se acontecesse há 6 anos atrás não me abalariam tanto, na medida em que a mudança de hoje vai interferir no futuro de minhas filhas, as quais são a razão maior de todos os meus ideais e vontades pessoais para um país melhor.

Não consigo ver alguém se sentir feliz com qualquer uma das decisões que o Senado Federal tomasse, pois apesar de alguns amigos me “acharem” petista (a maioria destes, amigos que não enxergam nada além do FLA-FLU que virou o país, onde você TEM que ser coxinha ou mortadela), considero que o que o PT fez ao envergonhar todos os seus defensores e eleitores, na medida que entrou no ESQUEMA de presidencialismo de coalizão onde o vale tudo para manter-se no poder, merecia realmente um BASTA, e nesse sentido dirigi o meu voto no primeiro turno das eleições. Mas ainda para aqueles que viam na retirada da presidente Dilma do poder, não importando quem viesse para o seu lugar, ainda estes amigos não ficaram felizes com o presidente interino que veio em seu lugar.

E hoje essa novela teve um fim. Graças a Deus, para o bem ou para o mal, vamos torcer para que o país ande. Vamos torcer para que a nova oposição não seja como a anterior. Vamos torcer para que esta nova oposição não trave qualquer reforma que venha no sentido de dar a este governo o mínimo de governabilidade que o nosso povo tão sofrido merece.

Certa vez um amigo me disse que eu conhecia muita gente e que deveria me candidatar a algum cargo eletivo. Ironia, essa frase me veio a mente vendo a foto de Dilma, Aécio e o ministro Lewandowisk após caretas durante a arguição a presidente e depois trocavam piadinhas e risadinhas…

dilma

E aí lembrei que, certa vez, estudando a era Vargas, perguntei a meu pai como que o Luis Carlos Prestes pôde se aliar ao Getúlio Vargas em 1945, mesmo sendo Vargas o algoz de todo terror de ter uma esposa mandada aos campos de concentração nazista e mantido Prestes por 10 anos na prisão. Meu pai me respondeu (e ele considerava o Prestes correto) que ele colocou os interesses do partido mais importantes para o país do que os seus próprios.

Nessa época tive a certeza que nunca conseguiria fazer cara de muitos amigos para alguém por quem eu só tivesse desprezo, nem colocar a vontade de um partido sobre a minha. E acho que é este o grande problema dessa política partidária praticada aqui.

E por isso, pessoas de bem e de bons ideais podem se inibir de se candidatarem a cargos eletivos, e assim, o país belo que eu desejo para minhas filhas se faz cada vez mais distante dos meus sonhos.

Daí a desesperança… Daí a tristeza… Daí a vontade de correr… Daí o amor a pátria exaltado nos jogos olímpicos descer ralo abaixo…

Mas como não sou de deixar a peteca cair, vamos ter esperança que exista alguém maior que partidos políticos, alguém que pense em fazer diferente, ou seja, fazer leis ou governar sem ter que criar alianças sórdidas que acabem com o nosso patrimônio. É só o que eu quero para os próximos anos…

 

Beijocas tristonhas, Lika.

 

 

Nuvém de Tags
alegria amamentação Amizade amor avião babá Beleza birra blog Brasil brincadeiras Cabelo campanha cesárea chupeta cinema criança culpa cultura dica dicas emoção escola Família farra Filhos Filme fim de semana gravidez infância Irmãos Lazer Libido livros maquiagem música parto passeio pele programação saudade saúde solidariedade Sono teatro